Lista de comparação

Imóveis adaptados permitem acessibilidade a pessoas com deficiência

Imóveis adaptados permitem acessibilidade a pessoas com deficiência

No capítulo sobre moradia da lei de inclusão social (13.146), sancionada em julho de 2015, está garantida a reserva de 3% das unidades de conjuntos populares para pessoas com deficiência e a exigência de maior acessibilidade em todos os ambientes de imóveis residenciais.

Veja o gráfico abaixo:

Segundo a diretora técnica da Morar Construtora, Aline Stefanon, os apartamentos adaptados para receber pessoas com deficiência geralmente ficam no térreo. Entretanto, ela explica que todo o empreendimento é construído pensando também na locomoção dessas pessoas por todo o imóvel.

“Eles ficam no térreo, por causa da facilidade em chegar no apartamento. As portas são mais largas, com 80 centímetros, e o apartamento possui todo o espaço necessário entre os móveis para circulação do cadeirante. Além disso, o cliente pode optar por ter os cômodos do apartamento com pias, mesas e pontos elétricos na altura certa. Um outro ponto interessante é que temos nas escadas uma área reservada para o cadeirante ser resgatado em casos de incêndio”, comenta.

Aline fala que as áreas comuns do empreendimento também possui espaços com acessibilidade. “O percurso, desde a guarita até as áreas comuns, é todo acessível. Nós fazemos um projeto chamado ‘rota acessível’. Há inclinações que possibilitam o cadeirante se locomover com mais facilidade, os locais com inclinação maior possuem guarda-corpos para que a pessoa possa se apoiar e não sofra acidentes, a piscina tem uma borda elevada que possibilita a transferência do cadeirante para a piscina, dentre outros”, diz.

Quais são os imóveis com acessibilidade

De acordo com a norma, são classificados como “acessíveis” os imóveis adaptados que priorizam a independência e o conforto de pessoas com alguma limitação. Nesse sentido, alguns critérios devem ser respeitados, dentre os quais, é possível citar:

Portas: devem ser largas com, no mínimo, 80cm de vão, permitindo a movimentação de cadeirantes;

Entradas: devem contar com rampas de acesso ao imóvel;

Corredores de acesso: obrigatoriamente, devem permitir aos cadeirantes a realização de manobras de 90º, aumentando sua autonomia de movimentos;

Paredes: em certos casos, a eliminação de paredes pode ser necessária para assegurar a mobilidade do morador. A intenção é que o ambiente seja espaçoso o suficiente para possibilitar um giro de, pelo menos, 180º;

Mobília: todo o excesso deve ser retirado, garantindo amplitude ao ambiente e fácil locomoção dos moradores;

Banheiros: desníveis no piso devem ser removidos, assim como a instalação de barras de apoio é indispensável.

Fonte: Folha de Vitória, 27/04/19

Veja aqui outras notícias do setor.

Artigos relacionados

Empresas buscam imóveis com mais flexibilidade

Nos próximos anos, serão cada vez mais raros os espaços corporativos organizados em baias...

Continue lendo

Locação de imóveis por sites e aplicativos pode ser regulamentada

Um projeto de lei pode regulamentar a locação de imóveis residenciais por temporada feita...

Continue lendo

Conheça as 25 falhas de segurança mais comuns em condomínios

O simples fato de morar em um apartamento já não é mais visto como 100% seguro. Por mais que...

Continue lendo

Junte-se à discussão

WhatsApp Fale com a Irigon