Lista de comparação

Quanto cobrar no aluguel de fim de ano

Quanto cobrar no aluguel de fim de ano

Uma boa notícia para quem deseja pôr o imóvel para jogo e reforçar o orçamento hospedando turistas: a procura por locação de temporada de fim de ano aumentou 10% em relação ao mesmo período de 2018. Já os preços cobrados continuam na mesma média do período – o que, ainda assim, pode chegar ao dobro do que é pago na baixa temporada. Um levantamento exclusivo feito pelo Conselho Regional dos Corretores de Imóveis do Rio (Creci-RJ) para o Morar Bem estima valores a serem cobrados nas diárias no período, tanto nos bairros mais procurados como no litoral fluminense.

COPACABANA NA LIDERANÇA

No Rio, Copacabana é o bairro mais procurado pela proximidade do local onde acontece a maior queima de fogos no réveillon, bem como pela quantidade de ofertas de imóveis, proximidade da praia e facilidade de deslocamento. Os preços das diárias variam de uma média de R$ 350 num conjugado a R$ 700 em um imóvel de três quartos.

A procura é tão grande que o apartamento de dois quartos da aposentada Cristina Felizola, na Rua Barata Ribeiro, já foi reservado há quase dois meses. Ela aluga o ano inteiro e confirma que réveillon e carnaval são os períodos mais procurados e rentáveis:

– Tem busca tanto de estrangeiros quanto de brasileiros, mas prefiro estes porque são menos bagunceiros.

O diretor do Creci-RJ, Laudimiro Cavalcanti, diz que Ipanema e Leblon são o segundo e terceiro bairros mais procurados nas festas de fim de ano. Ele chama atenção, contudo, para Catete, Lapa e Glória como alternativas mais em conta.

– A vida noturna próxima também é atrativa. Na região Central, os preços variam de R$ 250 (quarto e sala) a R$ 500 (pela diária de um imóvel de três quartos).

Cavalcanti ressalta que a Barra, depois dos grandes eventos esportivos na cidade, também passou a ser procurada, especialmente por famílias.

– Elas preferem ficar nas praias da região e tiram um ou dois dias para ir à Zona Sul ou à Região Serrana.

No litoral fora da capital, Búzios é a cidade mais requisitada, seguida por Angra.
-Arraial também tem crescido – diz Cavalcanti.

Na CostaVerde, Paraty é onde estão os preços mais em conta. A diária de uma casa próxima ao Centro custa de R$ 800, com dois quartos, a R$ 2 mil, com mais de três dormitórios e piscina. Em Angra, porém, os preços partem de uma média de R$1 mil por dia e chegam a R$ 6 mil se for uma mansão com apoio náutico e empregados.

Já na Região dos Lagos, Arraial é mais barata – entre R$ 450 e R$ 1 mil, na Prainha ou Praia Grande, dependendo da quantidade de quartos – e Búzios com valores mais altos. As diárias em Geribá, uma das praias mais procuradas, variam entre R$ 600 a R$ 5 mil.

CONCORRÊNCIA MAIOR

Segundo Cavalcanti com a procura maior, a partir de dezembro deve ficar mais difícil achar imóvel disponível e os preços ficarão mais salgados. Por outro lado, o que também aumentou foi a quantidade de moradores oferecendo suas casas. Segundo o Creci-RJ, 15% a mais do que em 2018. No site Alugue Temporada, o número de casas e apartamentos disponíveis aumentou 50% neste ano, segundo a gerente de marketing da empresa, Georgia Barcellos.

Isso significa que a concorrência está maior e, logo, é bom caprichar na oferta:

– Ano novo e carnaval são as datas mais importantes para a cidade. Um dado interessante é que as reservas são feitas, em média, 60 dias antes da data de check-in . O brasileiro acaba deixando para última hora, então, ainda tem muita reserva que ainda não foi feita.

Em relação aos valores, Georgia diz que a média no ano em todo Rio é de R$ 433. No réveillon, chega a R$ 800.

Fonte: O Globo, 24/11/2019

Veja aqui mais notícias do mercado imobiliário.

Artigos relacionados

Aberta negociação de dívidas

Donos de imóveis e contribuintes em débito com o município já podem aderir ao programa de...

Continue lendo

Banco do Brasil passa a atrelar juro do crédito imobiliário ao prazo do financiamento

No mesmo dia em que a Caixa Econômica Federal lançou uma linha de crédito imobiliário...

Continue lendo

Valor da prestação da casa própria pode cair até 35% com crédito corrigido pela inflação

O valor da prestação do financiamento da casa própria pela Caixa Econômica Federal pode...

Continue lendo

Junte-se à discussão

WhatsApp Fale com a Irigon